Epidemia global do Tabagismo: Impactante Relatório da Organização Mundial da Saúde

Fonte: OMS | Data: 08 de july, 2015

Fonte: OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou no dia 07 de julho de 2015, em Manila nas Filipinas, seu Relatório sobre a Epidemia Global de Tabagismo 2015. Esse relatório é centrado na questão sobre aumento de impostos sobre os produtos de tabaco, mas também traz o nível de implementação das seis medidas mais efetivas para o controle de tabaco no âmbito nacional em todos os Estados Membros da OMS, que inclui os países da Região das Américas e Brasil.

Segundo o Relatório das OMS sobre a Epidemia Global de Tabagismo 2015, poucos países cobram níveis adequados de impostos sobre cigarros e outros produtos de tabaco e com isso, perdem de salvar vidas e gerar receita para maiores investimentos em serviços de saúde. O aumento de impostos é comprovadamente uma medida eficaz e de baixo custo para reduzir a demanda de tabaco.

Entre os países membros da OMS, apenas 33 países aplicam impostos que correspondem a mais de 75% dos preços de varejos de cigarros e outros produtos de tabaco. Muitos países aplicam taxas de impostos extremamente baixas e outros não tem nenhum imposto especial incidindo sobre esses produtos.

Margaret Chan, Diretora Geral da OMS, afirma que "aumentar os impostos sobre os produtos do tabaco é uma das maneiras mais eficazes - e de baixo custo - para reduzir o consumo de produtos que matam, e ao mesmo tempo, gerar receitas substanciais". Chan encoraja que todos os governos olhem para as evidências e não para os argumentos da indústria, e adotem uma das melhores opções de política ganha-ganha disponíveis para a saúde.

As principais conclusões do relatório, financiado pela Bloomberg Philanthropies, incluem o fato de que o aumento de impostos é a medida MPOWER menos implementada em termos de cobertura da população, e que tem avançado menos em termos de ação dos governos desde 2008. No entanto, em 2014, 11 países tinham aumentado seus impostos, para que eles representem mais de 75% do preço de varejo de um maço de cigarros, juntando-se aos 22 países que já haviam adotado medidas similares em 2008.

(...)